terça-feira, setembro 17, 2013

DR.ANA ESCOBAR


Uma dúvida: o que é autoestima?

Faça um teste: sem pensar muito, cite 3 qualidades e 3 defeitos de uma pessoa próxima a você, que pode ser seu melhor amigo(a) ou companheiro(a), por exemplo. Você faria as duas listinhas sem dificuldade, não é mesmo? E se perguntarem para você quais as SUAS maiores qualidades e defeitos? Qual a opinião que você tem sobre você mesmo(a)? Isso é o que chamamos de autoestima. É o valor que damos para nós mesmos em vários setores da vida.

Algumas pessoas tem a auto estima lá no alto. Para estas, geralmente falamos que “se acham”! Acham que tudo sabem, que tudo fazem, que não erram nunca e ainda super valorizam tudo o que fazem. Outras, ao contrário, tem a auto estima em baixa. Ficam sempre em dúvida, acham que erram sempre, que não fazem nada direito, e vivem inseguras em relação ao próprio valor! 

Existe um “nível correto” para a autoestima?

Não. Não existe um “nível de autoestima”. Mas o bom senso indica que ninguém pode ser o máximo em todos os setores da vida. Nem o pior de todos. Por exemplo, um bom cantor pode ser um péssimo jogador de futebol, ou uma cientista famosa pode ser uma péssima cozinheira.

Por isso, o mais importante é nos conhecermos bem. Isso significa aceitar e reconhecer nossos pontos fracos. Mas também significa aceitar e reconhecer nossos pontos fortes, onde somos realmente bons. A autoestima equilibrada é uma grande companheira pois nos impulsiona para frente com o que temos de melhor. E nos faz recuar quando entendemos que em algum setor há alguém que sabe e pode mais.

Conhecer-se bem é um jeito de falarmos a verdade para nós mesmos.