quinta-feira, julho 04, 2013

IOGA

BEM ESTAR

IOGA PARA CONTROLAR O RITMO CARDÍACO



Pesquisadores da Universidade de Kansas (EUA) descobriram que pessoas com ritmo cardíaco irregular podem ver os episódios de crise reduzidos à metade caso adotem a ioga. Para chegarem a essa conclusão, foram acompanhados 49 pacientes que sofrem de fibrilação atrial, uma afecção de ritmo cardíaco que acontece quando os sinais elétricos naturais do coração disparam de maneira desorganizada, provocando agitação dos batimentos cardíacos.

Durante os três primeiros meses, os pacientes seguiram suas rotinas de exercícios habituais. Nos três meses seguintes, fizeram três sessões de ioga por semana com um instrutor certificado. Além disso, foram estimulados a praticá-la em casa com a ajuda de um DVD instrutivo. Segundo os cientistas, a ioga reduziu os episódios de ritmo cardíaco irregular a quase metade. Também diminuiu os índices de depressão e função física, a saúde geral, a vitalidade, o funcionamento social e a saúde mental.

Trace o seu caminho para a meditação

 A ioga pode levar a um determinado estado mental que todos podem atingir. “Os textos mais tradicionais descrevem essa capacidade meditativa como condição natural de atenção plena, que se resume em se manter onde se está, focando a mente naquilo que se faz”, descreve Marcos Rojo Rodrigues, professor de ioga da Universidade de São Paulo (USP)

.Qualquer pessoa pode fazer ioga, e quanto mais cedo começar, melhor. Mas há um pré requisito para o qual os especialistas chamam a atenção: disciplina. Mesmo que não seja possível fazê-lo por uma hora diariamente, dedicar-se a ela por 15 minutos todos os dias é melhor do que 1 hora duas vezes por semana. 

De acordo com o empenho do praticante, os primeiros resultados se observam no corpo: diminuição de dores nas costas; melhora da posturamelhora do sonomenor irritação e tolerância. Postura, relaxamento e um estado meditativo são fatores que não possuem contraindicações na prática segura da ioga.
A ioga é uma terapia ideal para pessoas que
sofrem de ritmo cardíaco irregular
Foto: Shutterstock